[Sagrado Feminino] A Deusa Interior – Os arquétipos que preenchem o nosso mundo interno

 

Hoje vamos abordar o último tópico do Sagrado Feminino, falando sobre a nossa Deusa Interior – na verdade as Deusas Interiores. Possuímos vários arquétipos internos que foram descritos por muitos povos através de lentas e mitos de Deusas: nosso lado guerreiro, maternal, fiel, livre, recluso…

A psicanálise usou esses arquétipos para nos ajudar a entender melhor nosso universo interno e como lidar com nossa personalidade e energia. Para entender melhor isso, indico dois livros fascinantes.

 

O primeiro é “A Deusa Interior” de Jennifer Barker Woolger e Roger J. Woolger. Ele faz uma análise desses arquétipos e como eles se encaixam na nossa personalidade.

 

O outro é “As Deusas e a Mulher” da psicanalista Jean Shinoda Bolen. A autora escreveu também sobre Círculo de Mulheres e possui um olhar de muita sororidade na sua escrita.

Além de ajudar a nos entender, ele nos ajuda a entender as demais mulheres e saber lidar com suas características.

Vale muito a pena se debruçar sobre esse livro e descobrir que todas somos irmãs em nossas diferenças!

 

Esse assunto me toca profundamente pois me ajudou muito a me entender e me aceitar, bem como a lidar melhor com as mulheres ao meu redor e no Círculo de Mulheres. Esses arquétipos falam fundo em nosso coração e nos trazem entendimentos que vão além das palavras.

Isso tudo é tão fascinante que virou um conjunto de vivências chamado “As Deusas que me habitam”, encontros maravilhosos com várias mulheres, onde pudemos conhecer esses arquétipos profundamente e partilhar nossas experiências, dificuldades e histórias.

 

 

 

Essa experiência maravilhosa também deu origem a um atendimento individual especial, onde vamos estudando os arquétipos em uma sequência especialmente pensada para cada mulher, de acordo com as suas forças e debilidades, de forma que ao final essa mulher renasça plena e senhora de todas as suas características e capaz de conciliar suas múltiplas faces.

As interessadas em realizar essa profunda viagem interior podem entrar em contato comigo para agendarmos um atendimento através da página de contatos ou das redes eletrônicas da barra de ferramentas ao lado.

 

 

Espero que estas pequenas explicações que dei sobre o Sagrado Feminino tenham lhe ajudado e descortinado um mundo imenso e intenso sobre ser Mulher. Este é um assunto que adoro, então qualquer dúvida é só chamar mandar por aqui! rs

Como disse anteriormente, convido você a fazer parte do nosso Círculo de Mulheres no Facebook e presencialmente, todo 1º sábado do mês aqui em Cotia/SP.

Para acompanhar meus eventos, cursos e postagens curta a minha página no Facebook e me siga no Instagram (@caminhandoembeleza2015) para acompanhar meus artigos e reflexões.

Gratidão infinita por ter compartilhado este trecho da jornada comigo!

 

 

 

[Sagrado Feminino] Alma Selvagem – Conecte-se com a sua Mulher Primal

 

Há dentro de nós, mulheres, uma força inexplicável que nos leva à luta, insatisfação, busca, resistência, resiliência. Há algo de inconformismo no nosso olhar, nas nossas atitudes. Reclamamos, chiamos, rosnamos quando as coisas nos levam por caminhos que não queremos seguir.

 

Somos Alma em algum canto de nosso ser e buscamos a manifestação dessa Alma em nossa Vida. Queremos que ela venha à tona através de nossos dons e paixões. Portanto, somos inquietas, sonhadoras, intensas, buscadoras. Muitas vezes nos rotulam como marrentas, geniosas, difíceis.  Somos revolucionárias, em pequenas e grandes ações. Queremos mais, queremos ficar bem, queremos ser felizes.

 

E algo profundo, irracional, intenso e denso nos impulsiona a isso. É a nossa Mulher Selvagem, aquele senso instintivo que temos de sobrevivência da nossa alma, aquela energia que nos move para a mudança – de trabalhos, relacionamentos, ares e peles.

 

O material que conheço que nos põe mais em contato com nossa Alma Selvagem é o livro “Mulheres que correm com os lobos” de Clarissa Pinkola Estés. Leitura obrigatória para todas as mulheres em muitas e muitas fases da vida, pois seu conteúdo mítico nos acessa de muitas formas, dependendo do momento que estamos. Fica aqui a minha indicação de todo coração para que você o leia (sem pressa, pois este é um livro mágico que dá a lição certa para cada período de nossa vida).

Esse livro é tão fascinante e tão intenso, que foi objeto de vários encontros presenciais em que discutimos as lindas lições que ele guarda e pudemos entrar em contato com a nossa Mulher Selvagem.

 

 

Agora ofereço esse processo transformador através de atendimentos individuais, onde vamos trabalhar conto a conto todas as nossas questões e dificuldades, em uma sequência especialmente pensada para criar uma jornada especial para cada mulher, individualmente.

As interessadas em realizar essa profunda viagem interior podem entrar em contato comigo para agendarmos um atendimento através da página de contatos ou das redes eletrônicas da barra de ferramentas ao lado.

 

 

 

Uma outra forma de contatarmos esse nosso lado mais primal é através da música. Ela toca áreas nossas que nem sabemos existir. Ela não tem explicação, não é racional.

Compartilho aqui com você minha playlist Canções de Medicina, onde selecionei várias músicas que curam, tocam e emocionam.

Clique aqui para abrir a playlist no Youtube.

 

 

Essa é uma “palhinha” de um assunto que nos toca e nos chama. Nossa Alma Selvagem é tão profunda e tão inexplicável – mas tátil e presente sempre, mesmo que em uma fagulha escondida lá no fundo do peito. E logo logo terei novidades para lhe contar sobre um curso online e algumas vivências – quem sabe não podemos trilhar esse caminho juntas?

 

[zilla_alert style=”grey”] Em nosso próximo post falaremos sobre a nossa Deusa Interior – mais um assunto abissal e tocante. [/zilla_alert]

[Sagrado Feminino] Ciclos – Entendendo os ciclos da Mulher e da Natureza

Hoje vamos falar sobre a importância dos ciclos em nossas vidas. Os povos antigos seguiam os ciclos da Natureza e nela se inspiravam para aceitar em honrar seus próprios ciclos.

 

Esses ciclos em nós, mulheres, ficam mais claros ainda. No texto sobre a menstruação, vimos como podemos traçar um paralelo entre a lua e a menstruação. Mas, se atentarmos para o gráfico que criei para explicar melhor nossos ciclos, podemos ver que também há uma sintonia entre as fases da mulher e as estações.

 

 

Algumas religiões pagãs utilizam-se do arquétipo da Deusa Tríplice: Donzela, Mãe e Anciã. Nesse arquétipo estariam condensadas as três fases da Mulher. Mirella Faur menciona mais uma fase em seus livros: a Senhora do Outono, para aquelas mulheres que já passaram da fase de mães mas ainda não são anciãs. Então, traçaríamos quatro fases femininas em paralelo às estações: a Donzela na Primavera, a Mãe no Verão, a Senhora do Outono no Outono e a Anciã no Inverno.

 

Isso transcende os anos que a pessoa tem ou a estação que estamos. Trata-se na verdade de paralelos energéticos entre esses estados de espírito e da Natureza. Conheço senhoras que possuem o brilho da Donzela em seu olhar e eu mesma sempre estive no arquétipo da Anciã desde muito jovem. É uma postura e um olhar para o mundo que cada arquétipo e cada estação proporciona – e todos devem ser acolhidos e honrados em suas belezas próprias.

 

Entender e aceitar os ciclos nos põe em paz com as nossas energias e com o ritmo da nossa vida. Passamos a ver a beleza do trecho que estamos vivendo, sem suspirar pela juventude que passou ou ansiar por uma maturidade que virá.

 

No fim de 2016 criei um e-book explicando e honrando o Solstício de Verão. Há uma série de exercícios e de práticas para permitirmos que essa energia tão especial e luminosa adentre a nossa vida, independentemente do ano em que estejamos 😉

Como essa energia está associada com o arquétipo da Mãe, este é o momento em que estamos plenas de energia e prontas para brilharmos e conquistarmos nossos sonhos!

[zilla_button url=”http://caminhandoembeleza.com/gratidao-aos-fins-e-forca-nos-recomecos-tudo-e-ciclo/” style=”red” size=”large” type=”square” target=”_blank”] Para baixar esse e-book, clique aqui. [/zilla_button]

 

 

Agora é a vez do Solstício de Inverno. Criei  um “Baú de Inverno” (um conjunto de áudios e documentos) ensinando as práticas meditativas que esse período de introspecção – algo que costuma ser mal visto e temido, seja porque tememos nosso interior, seja porque não traz “resultados visíveis”.

Vamos entender melhor porque é fundamental termos essas pausas e estarmos em paz com esses momentos de recolhimento que a nossa energia exige, neste movimento de Anciã.

[zilla_button url=”http://caminhandoembeleza.com/solsticio-de-inverno/” style=”red” size=”large” type=”square” target=”_blank”] Para baixar esse e-book, clique aqui. [/zilla_button]

 

 

Espero que esses materiais lhe inspirem a olhar seus ciclos com carinho e aceitação. Quando finalmente vivemos isso, muitas emoções e sensações passam a fazer mais sentido.

 

[zilla_alert style=”grey”] No nosso próximo post vamos falar sobre nossos instintos selvagens que buscam a sobrevivência da Alma. [/zilla_alert]

[Sagrado Feminino] Ancestralidade Feminina – Acessar nossas ancestrais e curar nossas relações

 

 

Acredito que um dos resgates profundos que o Sagrado Feminino e os Círculos de Mulheres tragam para nós, mulheres, é a consciência de nossa ancestralidade. Hoje, vivemos o que eu chamo de “microcélulas”, ou seja, estruturas familiares minúsculas – mulher, marido e filhos. Mal convivemos com outras mulheres, em especial nossas tias, primas, avós e mães. Isso faz com que percamos muito da nossa história familiar.

 

Em alguns casos isso pode ser bom em um primeiro momento. Nos dá individualidade e clareza para discernir o que a nossa família nos aporta de bom e de ruim com seu histórico. Mas também perdemos a oportunidade de entender com profundidade a história de todas as mulheres que nos antecederam e graças às quais estamos aqui.

 

Essa história pode guardar dores que ainda carregamos em nosso ventre, como mulheres que somos. Vale lembrar que nós mulheres nascemos já com todos os nossos óvulos. Ou seja, até o momento de seu nascimento você partilhou com sua mãe todas as emoções e sensações da vida dela (ela, por sua vez, compartilhou isso tudo com sua avó, e sua avó com sua bisavó… entendeu?). Dores, traumas, humilhações, abusos, medos… Tudo isso pode estar na sua linhagem feminina e consequentemente em você.

 

No nosso Círculo de março falamos sobre isso e fizemos lindos exercícios para honrar e liberar nossas ancestrais e suas dores. Eles estão descritos no artigo “Curando nossa ancestralidade feminina”, onde estão inclusive dois áudios das vivências que fizemos naquele dia para que você possa acessar essa linda cura.

 

 

Nesse artigo você vai encontrar uma série de outras referências sobre esse assunto e se aprofundar mais ainda, pois há muito que se curar nas nossas linhagens femininas. E quando curamos nossas ancestrais, harmonizamos nossas relações atuais e liberamos o caminho para as nossas descendentes. _/\_

E para pensarmos um pouco sobre os ciclos de dificuldade que estão impressos nas histórias das mulheres que nos antecederam, indico a forte animação “Vida Maria”.

 

 

[zilla_alert style=”grey”] No nosso próximo post falaremos sobre os nossos ciclos e como honrá-los! [/zilla_alert]

 

[Sagrado Feminino] Menstruação – Descobrindo nosso Ciclo Sagrado

Mais uma vez estamos aqui para falar do Feminino e do nosso Sagrado. (para ver todos os posts dessa série, clique aqui)

Hoje vamos tocar em um assunto que causa uma série de desconfortos e tabus: a Menstruação.

A menstruação em muitas culturas foi tida como algo sujo, vergonhoso e até pecaminoso. Mesmo hoje, temos vergonha de dizer que estamos menstruadas e fazemos de tudo para esconder esse evento periódico e natural das pessoas que nos cercam.

Mas será que a menstruação é algo tão horrível assim?

No nosso Círculo de Mulheres de fevereiro discutimos a menstruação e tivemos lindos insights. As pesquisas e partilhas deram origem ao artigo que escrevi no meu outro site: A Menstruação e o nosso Ciclo Divino.

Nele, falo mais sobre o nosso Ciclo Divino, as nossas fases, a benção da menstruação e porquê temos a famigerada TPM. Vale a pena lê-lo, pois ficou bem completo e profundo, além de possuir uma série de artigos de referência para você se aprofundar mais no tema.

 

Para complementar essas informações, indico este lindo vídeo chamado “O Poder Místico da Menstruação” para você sentir um pouco mais o quanto ela é divina e como você tem que se acolher enquanto está menstruada.

 

 

 

 

[zilla_alert style=”grey”] No próximo post falaremos sobre Ancestralidade e a cura das feridas de nossas linhagens femininas. [/zilla_alert]

[Sagrado Feminino] Círculo de Mulheres – Um movimento mundial de resgate da nossa alma comunitária

 

Hoje vamos falar um pouquinho sobre Círculos de Mulheres, mais uma face do Feminino Sagrado.

Os Círculos de Mulheres são um movimento mundial de resgate de uma característica extremamente feminina: compartilharmos experiências e vivências em roda.

Não é difícil lembrar de nossas mães, tias e avós conversando comunitariamente em suas cozinhas e salas ou se reunindo com outras mulheres em locais públicos como igrejas ou praças. Nós, mulheres, somos grandes partilhadoras. Assim aprendemos, assim nos apoiamos, assim ensinamos as próximas gerações. Coletivamente, em conversas, costuras, cozimentos e cuidados.

Mas perdemos isso. Cada vez mais estamos sozinhas, em nossas microcélulas familiares (esposo e filhos, pais e irmãos…). Criamos nossos filhos entre escolas e babás, temos dificuldades de lidar com contratempos como doenças e até mesmo comemorações. Carregamos tudo sós, sem aquela rede feminina amorosa que apoiava as mulheres antigamente.

Em um Círculo todas somos iguais. Não há hierarquia. Todas ocupam lugares similares, se vêem e se ouvem.

Nesse movimento mundial, retomamos a capacidade de nos reunir, nos acolher, nos escutar e nos curar todas juntas. Um dia estamos plenas para ouvir e apoiar nossas irmãs, no outro seremos nós as apoiadas. Acreditamos que quando as mulheres se curam, o mundo se cura, pois somos nós que cuidamos, defendemos, criamos, protegemos e mantemos uma série de formas de vida – de crianças e idosos até animais e lugares. Assim, buscamos o hipotético Milionésimo Círculo, ou seja, um momento em que todas as mulheres estarão de alguma forma acolhidas e atendidas por essa força comunitária.

Os Círculos possuem diversos formatos e ritos, mas todos partem do princípio de honrar o Feminino Sagrado e buscar a essência de cada mulher através da força do grupo. E todos possuem duas regras básicas: ouvir e falar com o coração (ou seja, não julgamos, apenas acolhemos o que a irmã compartilha) e tudo que acontece no Círculo fica no Círculo(para dessa forma criar um local seguro para que a mulher possa compartilhar coisas que ela não encontra espaço no seu mundo exterior).

Atendendo a um chamado que sentimos o ano passado, minha amiga Daniela Alves e eu resolvemos montar um Círculo de Mulheres na nossa cidade (Cotia/SP), com encontros são mensais, todo primeiro sábado do mês, às 16h. Para aquelas mulheres que não podem participar presencialmente, compartilhamos materiais do tema do mês no nosso Grupo do Facebook. Para saber mais informações e participar do grupo virtual, clique aqui.

 

 

 

Nossos encontros são gratuitos e todas as mulheres são muito bem vindas!!! Será um prazer ter você tanto no grupo físico quanto no grupo virtual.

E caso você more em outro local e queira saber se há um Círculo de Mulheres por perto, sugiro este link, onde estão listados Círculos de vários lugares.

 

 

[zilla_alert style=”grey”] No próximo post falaremos sobre algo profundamente feminino e cheio de tabus: a Menstruação. [/zilla_alert]

[Sagrado Feminino] Nossa essência imemorial

 

 

Entre as muitas coisas que agregaram beleza à minha jornada, sem sombra de dúvida o Sagrado Feminino é uma das paisagens mais belas.

Hoje vivemos um movimento mundial de resgate e respeito ao Feminino e seu Sagrado. Seja na luta pelos direitos das mulheres, seja ao respeitarmos seus corpos e suas belezas únicas, seja ao resgatarmos os ritos que nossas ancestrais praticavam durante suas vidas.

Há muito material sobre esses assuntos. Felizmente a internet é uma grande disseminadora de boas ações e conteúdos. Nela conseguimos achar nossa turma com mais facilidade. 😉

Mas é tanta coisa que você pode se perder. Por isso, preparei uma pequena sequência de posts para que você ir adentrando pouco a pouco nesse Universo Feminino.

 

 

Comecemos por este lindo vídeo que traz mulheres fantásticas falando sobre o Feminino Sagrado e esse resgate da nossa Essência (clique aqui ou na imagem para assistir).

 

 

 

Também indico este belo texto que resume bem como nos perdemos de nosso Feminino Sagrado e a retomada dessa energia tão importante para a nossa essência de Mulher.

Sagrado feminino: a volta da essência que (quase) nos foi tirada

[zilla_alert style=”grey”] No próximo post nos falaremos sobre o movimento mundial do Círculo de Mulheres. [/zilla_alert]